Skip to content

“Invictus” por João Ventura

16 julho, 2010

Quando falamos em grandes diretores é inevitável não lembrar de alguns nomes como Kubrick, Fellini, Scorcese, Coppola e Goddard, entre outros. Esses são os maiores. Mas, uma escala abaixo dos “grandes”, estão os bons diretores. E, o diretor de Invictus, Clint Eastwood, está entre eles.

Fiz esse comentário antes de falar de Invictus porque muito do que achei do filme tem a ver com Eastwood. Tanto como ator como diretor, ele vem fazendo um trabalho bastante sólido. Em todos os seus filmes, desde Sobre Meninos e Lobos até o sucesso Menina de Ouro, há sempre o elemento da emoção nos filmes, aquela emoção que simplesmente brota porque a história é focada nos (bons)personagens que compõem a trama.

Em Invictus, a bola da vez é o lendário presidente sul-africano Nelson Mandela (Morgan Freeman, que tem uma incrível semelhança física com o presidente). A narrativa, baseada em fatos reais, atinge o período em que Mandela recém assumiu a África do Sul e ainda lida com as chagas deixadas pelo Apartheid. Ele encontra dificuldades para unir o país e, para tanto, conta com a ajuda do capitão da seleção nacional de rugby, François Pienaar (Matt Damon), que lidera o time na Copa Mundial de Rugby, que acontece naquele país (o filme ter sido lançado próximo da Copa do Mundo de Futebol na África do Sul não foi uma coincidência).  Aí, vem aquela historinha que, apesar de ter sido verdadeira, é clichê: unir o país em torno da equipe para superar as questões raciais.

Mas aí é que entra a maestria de Eastwood: os personagens são tão bem construídos, que você não liga para os clichês. Há cenas tão emocionantes, tão humanas, que envolvem o telespectador e o fazem ter uma empatia sinistra com a história. Duas delas são o momento em que Pienaar entra na cela em que Mandela esteve preso e a fecha por dentro e o momento da conquista do título pela Seleção da África (isso não é spoiler porque o filme foi baseado em fatos reais e todo mundo já sabia o que ia acontecer). Além disso, as cenas são bem construídas, bem dirigidas. Os atores também ajudam (até o Matt Damon!), mas esse trabalho bem feito, que deixa transparecer até as marcas da segregação racial, é uma marca do diretor.

Eastwood não faz parte (ainda) do time dos diretores de primeira linha, mas é, sem dúvida, um dos melhores em atividade. Como já dito, o humano é o foco principal de seus filmes, cujos personagens estão sempre vivendo dramas, dilemas e tudo o mais. Ele mexe lá nos nossos sentimentos, sem que percebamos e isso é sim uma marca dos grandes. Um dia Eastwood chega lá mas, por enquanto, já fez muito mais do que se esperava dele.

Ficha Técnica

  • título original:Invictus
  • gênero: Drama
  • duração:02 hs 14 min
  • ano de lançamento:2009
  • direção: Clint Eastwood
  • roteiro:Anthony Peckham, baseado em livro de John Carlin
  • Anúncios
    One Comment leave one →
    1. Carla Cardoso permalink
      24 julho, 2010 11:44 pm

      Morgan Freeman, ótimo como sempre… Não poderia ter um nome melhor para o papel… Ele se sai bem em qualquer filme, não importa o estilo, vide Todo Poderoso e a sua sequencia… Qto ao Mandela, trata-se de uma pessoa tão especial, com ações tão especiais, que realmente fez diferença, o que é tão difícil na atualidade. Todo o seu trabalho na luta pelos direitos de sermos e nos reconhecermos iguais, independente da cor da pele, religião ou preferência no esporte daria mesmo um filme… Nada melhor para o cinema do que a vida real.

    Deixe um comentário

    Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

    Logotipo do WordPress.com

    Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

    Imagem do Twitter

    Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

    Foto do Facebook

    Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

    Foto do Google+

    Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

    Conectando a %s

    %d blogueiros gostam disto: